Skip to content

Veja como José Serra defende o Meio Ambiente

14 de Outubro de 2010

A hipocrisia e o cinismo de José Serra está indo além do que possamos imaginar.
Primeiro, com muito cinismo, elogiou Marina Silva em busca de apoio da mesma,  com todos sabendo da sua acusação à candidata do PV de ter recebido mensalão em debate na TV.
Ontem em São Paulo já voltou a demonstrar sua face hipócrita.

Em busca do apoio de votos de Marina Silva, candidata derrota do PV no primeiro turno da eleição presidencial, o tucano José Serra fez nesta terça-feira propaganda de seus projetos na área ambiental e ainda se declarou um político bastante próximo de questões de sustentabilidade. Depois de visitar obras de ampliação de uma avenida que liga São Paulo a Mauá, na região do ABC, Serra disparou: 

Eu sou um ambientalista convicto, não só na teoria, mas na prática – disse ele destacando iniciativas nessa área de quando era governador de São Paulo.(mais no O Globo)

Verdadeiramente o cinismo e hipocrisia de José Serra beira o ridículo.
Quem não mora em São Paulo pensa que estamos diante de um grande defensor do meio ambiente mesmo. Dá até vontade de acreditar.
Mas quem acompanhou de fato, por exemplo, a construção do Rodoanel sabe muito bem o que estou falando.
Inclusive a própria Marina Silva afirmou claramente sobre os crimes cometidos contra o meio ambiente no estado coma a construção do Rodoanel em visita a região do ABCD.

Em entrevista coletiva, a senadora criticou a obra viária do ex-governador e candidato tucano José Serra, que, segundo Marina, previa uma série de compensações ambientais para os municípios que recebem o Trecho Sul do anel viário, mas não foram realizados adequadamente.


“Nem todas as compensação foram realizadas. A obra é importante, mas tem que fechar um ciclo, seja bom do ponto de vista da mobilidade, social ou ambiental. É para isso que existem os processos de planejamento e o licenciamento ambiental”, criticou a senadora e ex-ministra do Meio Ambiente durante o governo Lula, entre os anos de 2003 e 2008. (mais na Rede Bom Dia)

E no site Socioambiental, também pode-se ter uma noção de quanto José Serra "é um ambientalista convicto e não só na teoria, mas na prática"…

Dentre as compensações não cumpridas – ou cumpridas de modo insatisfatório – há a recuperação dos passivos ambientais, o reassentamento habitacional, a implantação das caixas de contenção de líquidos para acidentes com cargas perigosas e o monitoramento do ruído lindeiro. O ruído, por sinal, tem sido objeto recorrente de reclamações de moradores, que afirmam que o barulho vindo da estrada tem ultrapassado em 40% o limite legal de decibéis estabelecido pela Organização Mundial da Saúde -tornando insuportável a vida no entorno do Rodoanel. Estes problemas, nem suas possíveis soluções, por sinal, não estão sequer registrados nos documentos referentes ao licenciamento do trecho sul. 

O site mostra um retrospecto dos desmandos e crimes ambientais cometidos por José Serra desde o início do seu governo na construção do Rodoanel.
Em outro site, o Ambiente Brasil, nós proseguimos em conhecer mais a face hipócrita e mentirosa de José Serra quando se fala em defesa do meio ambiente.

Mais de cem animais silvestres já morreram desde o início das obras de construção do Trecho Sul do Rodoanel em áreas de mata atlântica. Parte era de espécies ameaçadas de extinção. São veados catingueiros, macacos bugios, preguiças de três dedos, lagartos teiús, gambás, cobras, corujas orelhudas e várias outras espécies que deveriam passar por manejo cuidadoso, mas tiveram ferimentos graves ou sofreram estresse profundo – que resultaram em óbito. 

Todos precisaram passar por eutanásia, por causa dos ferimentos múltiplos e da impossibilidade de sobreviver. Um dos veados catingueiros, espécie ameaçada de extinção, estava com a coluna vertebral fraturada. Outro teve a parte posterior do corpo mutilada por mordidas de cães. “Com certeza foram cachorros da vizinhança da obra. Os veados, à procura de alimentos, ficam perdidos entre a urbanização e o Rodoanel.” O Estudo de Impacto Ambiental do Trecho Sul identificou a existência de 163 espécies de aves, 23 de mamíferos e nove de répteis que habitavam as áreas das obras, principalmente nas cidades de São Bernardo do Campo e Diadema. As obras começaram em 2007. (mais no Ambiente Brasil)

Como se vê, a falácia de José Serra, com anuência da grande mídia que ainda divulga essas mentiras sem questionar tais fatos é de uma hipocrisia sem tamanho.

Uma das muitas cenas de crimes ambientais no Rodoanel de José Serra

Tentando passar-se por "defensor do meio ambiente" para angariar possíveis votos de uma parcela dos eleitores de Marina Silva, José Serra demonstra que usará de todo o cinismo e a hipocrisia para tentar ganhar esta eleição.
Ele não possui o mínimo de vergonha em falar uma inverdade desta mesmo sabendo que cometeu esses graves crimes ambientais em seu governo.
É o desespero de quem vê a iminente e certa derrota se aproximando em mais uma eleição onde tenta enganar o povo brasileiro.
E a verdadeira face deste tucano vais se definindo: hipocrisia, engodo e cinismo.

http://www.tribunapetista.com/2010/10/jose-serra-e-o-meio-ambientecinismo-sem.html

2 comentários leave one →
  1. 24 de Novembro de 2010 18:36

    “SALVEM O PARQUE ESTADUAL DA CANTAREIRA”

    Eu, Mauricio Gomes de Souza, munícipe da Cidade de São Paulo, e morador da Zona Norte da Capital, pontualmente da Serra da Cantareira, achei que tinha conhecimento do significado e a importância de um Tombamento efetuado por um Órgão governamental do meu mais alto Apreço, como a Secretária da Cultura (CONDEPHAAT), mas agora estou em duvida se é um fato que devo levar a sério ou trata-se apenas de uma atitude Política e Folclórica. Explico abaixo:

    O governo do Estado de São Paulo, através do DERSA vem sugerir, um traçado para o Rodoanel Mario Covas Trecho Norte, através de Viadutos e Túneis, cortando a Zona de Amortecimento da Serra da Cantareira e também cortando o Parque Estadual da Cantareira, ambos situados na Zona Norte da Capital Paulista a 12 km do centro.

    Fiz diversas consultas as leis relativas à Proteção Ambiental seja no âmbito Federal, Estadual e Municipal e todas sem nenhuma exceção, deixam de prestar total proteção as áreas de Mananciais, Mata Atlântica e Parques que abriguem espécies exóticas e em extinção da Fauna e Flora. O caso que estou levando aos Senhores diz respeito ao Parque Estadual da Cantareira que é uma Reserva Estadual Tombada pela Resolução nº18 da Secretária da Cultura (CONDEPHAAT), de 04/08/1983, com base nos Termos do art. 1º, do Decreto-Lei nº 149, de 15/08/1969, e do Decreto nº 13.426, de 16/03/1979, que declarou TOMB ADA, a área da Reserva Estadual da Cantareira e o Parque Estadual da Capital, que também foi reconhecido internacionalmente pela UNESCO, como Zona Núcleo da Reserva da Biosfera do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo, em 09/06/1994.

    No último dia 16 de Dezembro de 2.009, a Secretária de Estado do Meio Ambiente, através de Reunião Ordinária do Plenário do Conselho Estadual do Meio Ambiente – CONSEMA aprovou o novo Plano de Manejo do Parque Estadual da Cantareira, isto resultou na Deliberação do CONSEMA 38/2009. Ai vem o governo estadual através do DERSA, dando uma sugestão de traçado que irá cortar a Zona de Amortecimento da Serra e do Parque Estadual da Cantareira. No Estudo de Impacto Ambiental (EIA) que o DERSA apresenta, alegou-se que nesse novo traçado, haveria um Impacto Ambiental bem menor do que o proposto anteriormente. Não seriam mais 129 hectares de Degradação de Vegetação Florestal (Parque Estadual da Cantareira) , mais apenas 98 hectares. Como se esse montante não fosse representativo. O que me causa espanto é o DERSA não saber que a Zona de Amortecimento também faz parte da Área Ambiental protegida por Lei.

    Finalmente venho a concluir, com a minha humilde ignorância, pois acredito que esse traçado deve ter sido proposto por algum PhD em engenharia ambiental, que nós devemos deixar que o Novo Plano de Manejo do Parque Estadual da Cantareira, recém aprovado depois de ser Objeto de muitos estudos SEJA RASGADO.

    O Rodoanel Mario Covas Trecho Norte, passando pela região de Mananciais e de Tratamento de Água que, abaste-se 55% da população da Capital de São Paulo pode em muito comprometer a qualidade da água captada e fornecida vindo de encontro ao DECRETO PRESIDENCIAL Nº 5.440/2005, que estabelece definições de procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de abastecimento público.

    A Constituição Estadual de São Paulo, juntamente com outras Leis, Decretos e Portarias também oferecem Proteção Ambiental ao Parque Estadual da Cantareira.

    É interessante sabermos que São Paulo foi o primeiro Estado brasileiro a aderir um Documento conhecido mundialmente como “CONSENSO DA ÁGUA”, criado em março de 2009, na Turquia, durante o 5º

    Fórum Mundial da Água.

    O governador José Serra observou que São Paulo não é um Estado bem servido em matéria de água. “O Brasil tem 13% da água do mundo, São Paulo tem apenas 2% da água do país. Apesar disso temos 20% da população do Brasil, por isso, precisamos ser efetivos na agenda da água. Meio Ambiente não é só Verde é também Azul”. Acho que está havendo uma grande discrepância das autoridades, entre o discurso e as atitudes efetivas.

    Estou lutando em busca de ajuda, para que haja uma reversão desse processo, que dará inicio a Degradação do Parque Estadual da Cantareira, uma das últimas Frações de Mata Atlântica do Estado de São Paulo, Região de Mananciais e Refugio de diversas espécies de Mamíferos e Aves em processo de extinção. No próximo dia 16 de dezembro de 2.010, às 17 horas , na Casa de Portugal, na avenida da Liberdade haverá uma Audiência Pública em São Paulo para se discutir o Projeto do Traçado Norte do Rodoanel.

    Coloco-me a inteira disposição dos senhores para dirimir duvidas que venham a surgir.

    Antecipadamente agradeço a atenção que me foi dispensada.

    São Paulo, 24 de novembro de 2.010.

    MAURICIO GOMES DE SOUZA

    11 9616 8817
    11 7727 5663
    mauriciogs@uol.com.br

    • Luciano Carvalho permalink
      10 de Fevereiro de 2011 14:09

      Boa tarde Sr. Mauricio, gostaria de pedir sua ajuda para tentar entender o processo de desapropriação que o governo está propondo para os moradores que estão na área onde vai ser “criado” o Parque estadual da Serra de Cantareira, sou morador da região de Santa Izabel a mais de 25 anos e recebi um fiscal em minha casa que me informou que o meu sitio vai ser desapropriado, mas isso já faz um ano e desde então não consigo obter informações de quando isso vai ocorrer.
      O Sr. sabe me orientar onde posso buscar essas informações?
      Desde já agradeço sua atenção.
      grato,
      Luciano Carvalho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: