Skip to content

Quebrando preconceitos: a opinião pública versus formadores de opinião

16 de Setembro de 2010

Fonte: http://www.rodrigovianna.com.br/colunas/reflexoes/quebrando-preconceitos-o-governo-lula-sua-popularidade-e-os-pretensos-formadores-de-opiniao.html?utm_medium=awe.sm-twitter&utm_source=direct-awe.sm&utm_content=sociable-wordpress

Por Izaías Almada

“O tempo passou na janela e só Carolina não viu…”
Chico Buarque de Holanda

O pensamento e a realidade se interrelacionam de maneira viva, dinâmica. O debate e o confronto de idéias não devem em princípio ignorar a realidade em que estão inseridos. Quando isso acontece, corremos o risco de nos colocarmos  diante do inevitável diálogo de surdos, o diálogo que termina por se transformar num monólogo que leva a atitudes preconceituosas, ironias inconseqüentes, opiniões baseadas no “achismo”, acusações e suspeitas infundadas, misturando-se no mesmo saco alhos e bugalhos.

Essa simples reflexão ocorreu-me a propósito dos últimos oito anos vividos pelo país, tempo em que o Brasil esteve entregue nas mãos de um governo eleito por maioria democrática, mas diária e covardemente combatido pelos principais órgãos de comunicação social, com inequívocas reações e conseqüências, muitas delas até irresponsáveis, sobre a opinião de milhares de cidadãos e cidadãs do país.

Provavelmente não tenha existido um, nesses quase 2920 dias, em que um jornal, uma revista semanal, um telejornal não tenha se dedicado a criticar, levantar as mais variadas suspeitas, achincalhar, ridicularizar, chantagear, desrespeitar, mentir, ironizar o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e – mais recentemente – a candidata Dilma Roussef, escolhida por ele à sua sucessão no comando da nação.

Ainda haverá quem um dia faça o levantamento mais exato e ponderado desse “massacre”, mas já é possível distinguir aqui e ali que tal batalha não resultou aos seus idealizadores os resultados previstos. O atual governo e o presidente que o lidera chegam, após inúmeras e espaçadas pesquisas, a índices insuspeitos de 80% ou mais de popularidade.

O que acontece? Por quê o povo brasileiro anda tão refratário aos “formadores de opinião”? A primeira resposta tentadora é óbvia: porque os atuais “formadores de opinião” já não formam a opinião da maioria, se é que um dia a formaram como julgavam. E por qual razão? Porque, como dissemos acima, o confronto de idéias não deve desprezar a realidade em que os mesmos atores sociais vivem. Quando isso ocorre, rompe-se o diálogo, periga a democracia.
Enquanto o governo Lula comia nesses oitos anos o mingau pela beirada do prato, os tais pretensos formadores de opinião deleitavam-se em refletir sobre uma realidade que não ultrapassava as fronteiras de suas limitações intelectuais e ideológicas encontradiças em alguns guetos da elite brasileira incrustados em redações, bares e clubes muito bem identificados em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo. Não era possível passar o atestado da incompetência administrativa para um metalúrgico semi-analfabeto. Jamais… Menos ainda, ver o país sair do atoleiro provocado pelo governo de um sociólogo narcisista e entreguista da riqueza nacional entrar numa era de grandes avanços econômicos e sociais.

E aí, foi que se viu: de um lado do espectro da inteligência brasileira, seus balcões de redação e bancas acadêmicas, juntaram-se nomes sejam ditos sonantes como Demétrio Magnoli, Arnaldo Jabor, Miriam Leitão, Merval Pereira, Diego Mainardi, Roberto Romano, José Neumane, Clóvis Rossi, Lúcia Hipólito, Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo, Elio Gaspari, Fernando Gabeira, Fernando Henrique Cardoso, Eugênio di Franco e outros menos votados, mas de não menos brilho em erudição e inteligência…

Do outro lado do espectro, embora ofuscados pelo brilho mediático do pensamento dominante, mas a sustentar teoricamente as iniciativas de inúmeros jornalistas, blogueiros e pensadores, heróis “fora de contexto”, para dizer o menos, vamos encontrar cabeças e exemplos da estirpe de Sartre, Mandela, Darcy Ribeiro, Celso Furtado, Marx, Ignácio Ramonet, Cláudio Abramo, Noam Chomsky, Paulo Arantes, Maria da Conceição Tavares, Inês Nassif, Paulo Freire, Celso Amorim, Guevara, Eduardo Galeano e, por que não dizer – o próprio presidente Lula?

Essa é apenas uma das diferenças e é preciso dar nome aos bois. O Brasil está mudando e vai mudar ainda mais. Pode não ser no tempo em que muitos de nós esperamos e que seria preciso, mas basta colocar nos pratos da nossa balança política, como futura nação soberana, os valores e os pensamentos expressos por cada um dos grupos acima. E projetá-los numa perspectiva de confiança.

O que tem que ser tem muita força…

Izaías Almada é escritor, dramaturgo e roteirista cinematográfico, É autor, entre outros, dos livros TEATRO DE ARENA, UMA ESTÉTICA DE RESISTÊNCIA, da Boitempo Editorial e VENEZUELA POVO E FORÇAS ARMADAS, Editora Caros Amigos.

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: