Skip to content

Estado de São Paulo já registrou 70 mortes por causa das chuvas e este número pode aumentar, diz Defesa Civil

4 de Fevereiro de 2010

da Folha Online

A chuva de ontem em São Paulo causou a morte de duas pessoas. Mulher e criança estão desaparecidas

Jorge Araújo /Folha Imagem

O Corpo de Bombeiros retomou por volta das 7h desta quinta-feira as buscas por uma criança de 11 anos e uma mulher de 72 que estão desaparecidos desde a noite de ontem (3), quando foram levadas por enxurradas durante as fortes chuvas que atingiram a cidade de São Paulo.

De acordo com os bombeiros, as duas vítimas estavam em locais diferentes, mas foram arrastadas para o mesmo córrego, na região do Parque Guarani, na zona leste de São Paulo. Após as chuvas de ontem, moradores do bairro protestaram e queimaram ônibus. Apesar disso, não há registro de confronto ou detidos no local, informou a Polícia Militar.

Também em decorrência das chuvas, duas pessoas morreram na quarta-feira, sendo uma vítima de uma queda de árvore que atingiu seu carro na marginal Tietê. A vítima chegou a ser levada para o pronto-socorro de Vila Maria, mas não resistiu e morreu. Já a segunda vítima foi atingida por um raio na praça Ilo Otani, no Pari (centro de SP).

O último balanço da Defesa Civil estadual, divulgado na quarta-feira, apontava 70 mortes no Estado de São Paulo em decorrência das chuvas desde o dia 1º de dezembro. Com o registro dos novos óbitos, esse número pode subir para 72.

Na manhã de hoje, a avenida Aricanduva permanecia totalmente interditada no sentido marginal, na altura da rua Igarapé Azul, devido a um deslizamento de terra ocorrido por volta das 23h de ontem. O motorista que utiliza a avenida deve fazer um desvio pela avenida Rio das Pedras.

Atenção

A chuva que atingiu a cidade de São Paulo nesta quarta-feira deixou toda a cidade em estado de atenção, para alagamentos desde o fim da tarde. Ao menos três córregos e o rio Tietê transbordaram, deixando cinco regiões em estado de alerta: marginal Tietê, Aricanduva/Formosa, Itaquera, Penha e Casa Verde.

A escala usada pelo CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências), da prefeitura, passa por observação, atenção, alerta e alerta máximo. Os alagamentos também prejudicam a circulação de trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e fecharam uma estação do metrô por cerca de uma hora.

É gente, como o Zé Alagão falou, o problema é da natureza.

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: