Skip to content

Revista Veja e a conspiração para derrubar o Governo Dilma

8 de Maio de 2012

Revista Veja, o crime organizado e tentativa de desestabilizar o governo DILMA ROUSSEFF

2 de Maio de 2012

O envolvimento da revista Veja com Cachoeira que foi flagrada em 200 telefones com o bicheiro trocando favores e capas para derrubar governos, coagir judiciário e amendontrar políticos. É de escandalizar! Estadão, Folha de S. Paulo, Globo se calam perante um escândalo desses. Sonegar essa informação do leitor mostra o quanto esses veículos estão envolvidos com sacagens e bandigagens. Essa é a imprensa que convoca marchas contra a corrupção na maior cara de pau do mundo e faz da oposição e caras como Demóstenes seus heróis, é essa a imprensa que pede transparência, ética etc. É essa a imprensa que elege governos como os de Kassab/Serra/Alckimin. Que pagam em bilhões em publicidade para esses grupos. PQP! Não leiam e não acreditem em nada que essa imprensa corrupta publica. Bando de mentirosos e criminosos! Cadeia para essas famílias golpistas.

Fonte: http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-utilizacao-da-imprensa-nos-interesses-do-crime

A utilização da imprensa nos interesses do crime

Enviado por luisnassif, qua, 02/05/2012 – 08:52

Por zanuja castelo branco

Do Roteiro de Cinema

Resumo das relações entre Cachoeira e os jornalistas Renato (Correio Brasiliense) e Policarpo (Veja).

DA UTILIZAÇÃO DA IMPRENSA NOS INTERESSES DA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

Com a leitura cuidadosa dos documentos da Operação Monte Carlo pode-se concluir que a quadrilha de CARLINHOS Cachoeira, através DADÁ e JAIRO, usava jornais e revistas para promoção de suas atividades econômicas ilegais, mas também como ferramenta de ajuda a aliados, chantagem e recrutamento de agentes públicos corruptos. 

Mostra POLICARPO JÚNIOR, Editor da Veja em Brasília, encomendando ao grupo criminoso uma fita obtida de maneira ilegal dentro do Hotel Naoum, enquanto o contraventor e seu sócio Senador DEMÓSTENES conspiram para "por fogo na República" e desestabilizar o governo DILMA ROUSSEFF 

p>Excertos dos documentos da OPERAÇÃO MONTE CARLO






"Ou seja, é muito comum a ORGCRIM contatar jornalistas para auxiliá-los através de reportagens, em tese, direcionadas."

AS RELAÇÕES DA QUADRILHA DE CACHOEIRA COM POLICARPO E A VEJA:

C = CACHOEIRA D = DEMÓSTENES Chico = DADÁ e Poli = POLICARPO


CPI do Cachoeira, Paulo Preto, Delta e José Serra…bem que a Dilma avisou!

2 de Maio de 2012

Dilma bem que alertou… Paulo Preto, Delta/Cachoeira, Serra … será que eles vão depor na CPI do Cachoeira? Ou a imprensa golpista somente "denuncia" os aliados de Dilma e "esquece" os heróis da "moralidade" políticos do DEM e PSDB e seus coleguinhas da oposição. Ah, esqueci a imprensa também é amiga do Cachoeira e é pautada por ele. Bandido protege bandido. Tá explicado!

Fonte: http://www.viomundo.com.br/denuncias/sao-paulo-fez-contratos-de-quase-um-bi-com-a-delta-paulo-preto-assinou-o-maior-deles-no-governo-serra.html

São Paulo fez contratos de quase um bi com a Delta; Paulo Preto assinou o maior deles, no governo Serra

publicado em 30 de abril de 2012 às 19:27

por Conceição Lemes

Nesta semana começam efetivamente os trabalhos da CPI que investigará as relações do bicheiro Carlinhos Cachoeira com políticos, autoridades e empresários. Um dos alvos, a Delta Construções, de Fernando Cavendish. Suspeita-se, com base em informações da Operação Monte Carlo, realizada pela Polícia Federal (PF), do envolvimento da empresa com Cachoeira.

No dia da instalação da CPI do Cachoeira, 19 de abril, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), ao ser questionado sobre os contratos da Delta com o Estado de São Paulo, disse não estar preocupado com eles, segundo a Folha de S. Paulo: “Nem sei se tem [contratos], se tem são ínfimos ”.

A verdade é outra. Levantamento feito pelo blog Transparência SP revela que, de 2002 a 2011, a Delta fechou pelo menos 27 contratos (incluindo participação em consórcios) com empresas e órgãos públicos do governo do Estado de São Paulo.

Na lista de contratantes,  Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Somam cerca de R$ 800 milhões em valores nominais. Em valores corrigidos (considerando a inflação do período) chegam a R$ 943,2 milhões.

Desses R$ 943,2 milhões, R$ 178, 5 milhões foram celebrados nas gestões Alckmin (2002 a março de 2006 e de janeiro de 2011 em diante) e R$ 764,8 milhões no governo de José Serra (janeiro de 2007 a abril de 2010).

DERSA CONTRATOU DELTA PARA A NOVA MARGINAL DO TIETÊ POR  R$ 415.078.940,59

O maior contrato da Delta com órgãos e empresas do governo do Estado de São Paulo foi com a Dersa para executar a ampliação da marginal do rio Tietê: R$ 415.078.940,59 (valores corrigidos)

Apesar de condenada por ambientalistas, geólogos e urbanistas, a Nova Marginal do Tietê foi anunciada em 4 de junho de 2009, com bumbos e fanfarras, pelo então governador José Serra (PSDB) e o prefeito Gilberto Kassab (hoje PSD, na época DEM).

Na época, o portal do governo do Estado de São Paulo informou: Investimento de R$ 1,3 bilhão prevê, além de novas pontes e viadutos, plantio de cerca de 83 mil árvores e implantação de ciclovia.

“irá o tempo das viagens em cerca de 35%; “tráfego para as rodovias Castelo Branco, Ayrton Senna, Dutra, Fernão Dias, Anhanguera e Bandeirantes terá fluxo mais rápido”; junto com o Rodoanel e o Complexo Anhanguera, a Nova Marginal pretende aliviar o trânsito nas principais interligações de bairros de São Paulo e evitar o trânsito de veículos de passagem por bairros e o centro da cidade”.

Serra ainda afirmou:

“É uma obra que é financiada com recursos do Tesouro e com dinheiro público das concessionárias, que é dinheiro do pedágio, segundo projeto e orientação do próprio Governo”.

”é uma obra que está tendo todo o cuidado ecológico, o que não é tradição em São Paulo, pois as obras e a devastação andavam de mãos dadas, mas isso acabou nos tempos atuais”.

A obra tinha dois lotes: 1 e 2. A concorrência do chamado lote 2 foi vencido pelo consórcio Nova Tietê, liderado pela Delta (participação de 75% a 80%).

Extrato do contrato assinado em 13 de maio de 2009 e publicado no dia seguinte no Diário Oficial Empresarial revela o valor da obra: R$ 287.224.552,79.

PAULO PRETO E DELSON AMADOR ASSINAM O CONTRATO  PELA DERSA COM A DELTA

O consórcio da Delta venceu a licitação para o lote 2 da Nova Marginal do Tietê com uma diferença de R$ 2,4 milhões em relação ao segundo colocado, o Consórcio Desenvolvimento Viário (EIT – Empresa Industrial Técnica S/A — e Egesa Engenharia), que, por sinal, ganhou o lote 1.

Curiosamente 1: 1 ano 4 meses depois, o consórcio da Delta conseguiu um “aditamentozinho” de R$ 71.622.948,47 no contrato.

Curiosamente 2: Na época da licitação, Paulo Vieira de Souza era diretor de Engenharia da Dersa, e seu presidente Delson José Amador, que acumulava a superintendência do DER.

Paulo Vieira de Souza é o Paulo Preto, ou Negão, como é mais conhecido. Até abril de 2010 foi diretor da Dersa. Com uma extensa folha de serviços prestados ao PSDB, foi apontado como arrecadador do partido e acusado pelos próprios tucanos de sumir com R$ 4 milhões que seriam destinados à campanha do então presidencial José Serra. O dinheiro teria sido levantado principalmente junto a empreiteiras com as quais ele possuía relações estreitas.

O nome de Paulo Preto apareceu ainda na investigação feita pela Polícia Federal que resultou na Operação Castelo de Areia. Na ação, executivos da construtora Camargo Corrêa são acusados de comandar um esquema de propinas em obras públicas.

Delson Amador também apareceu na Operação Castelo de Areia. Assim como Paulo Preto, seu nome constava da apreendida pela Polícia Federal na Camargo Corrêa.

Em 1997, durante a presidência de Andrea Matarazzo, Amador virou diretor da Cesp. Aí, foi responsável pela fiscalização de obras tocadas pela Camargo Corrêa, como a Usina de Porto Primavera, e a Ponte Pauliceia, construída sobre o Rio Paraná para ligar os municípios de Pauliceia, em São Paulo, e Brasilândia, em Mato Grosso do Sul. Amador foi ainda chefe de gabinete de Matarazzo na subprefeitura da Sé.

HERALDO, O FORAGIDO, É QUEM ASSINOU PELA DELTA O CONTRATO DA NOVA MARGINAL

Curiosamente 3: Certidão emitida pela Junta Comercial de São Paulo mostra que o representante legal do Consórcio Nova Tietê é Heraldo Puccini Neto, diretor da Delta Construções para São Paulo e Sul do Brasil.

Escutas realizadas com autorização judicial revelam que é um dos interlocutores mais próximos de Cachoeira. Documentos disponibilizados na internet referentes ao processo contra Carlinhos Cahoeira no Supremo Tribunal Federal (STF) mostram a proximidade  de Heraldo com o bicheiro e como a quadrilha preparava editais para ganhar licitações.

É possível que esse mesmo modus operandi tenha sido aplicado pela Delta em várias licitações como as feitas pelo governo do Estado de São Paulo.

Heraldo teve a prisão decretada pela Justiça Federal na semana passada. Foi a partir de investigações realizadas no âmbito da Operação Saint Michel, braço da Monte Carlo.

Um grupo de policiais civis de Brasília chegou às 6 horas da última quarta-feira 25 ao apartamento dele, no Morumbi, em São Paulo. Heraldo não estava nem foi localizado pela polícia. É considerado foragido da Justiça.

Curiosamente 4: Num despacho de setembro de 2011 do Tribunal de Contas de São Paulo (TCE-SP) referente ao contrato da Nova Marginal, aparecem juntos Paulo Preto, Delson Amador e Heraldo Puccini Neto. Os dois primeiros como contratantes. O último como contratado.

DEPUTADOS PEDEM AO MP QUE APURE INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES

A essa altura algumas perguntas são inevitáveis:

1. Considerando que o senador Demóstenes Torres é sócio oculto da Delta e apoiou José Serra em 2010, será que dinheiro da Nova Marginal do Tietê irrigou a campanha do tucano à presidência?

2. Entre os R$ 4 milhões que teriam sido arrecadados por Paulo Preto e não entregues ao PSDB, haveria alguma contribuição da Delta?

3. Paulo Preto ou Delson Amador teve algum contato direto com Cachoeira?

Na sexta-feira 27, parlamentares paulistas protocolaram representação no Ministério Público Estadual de São Paulo (MPE-SP) para que investigue indícios de irregularidades, ilegalidades e improbidades nos contratos formalizados pela Dersa com empresas e consórcios, entre os quais o Consórcio Nova Tietê, capitaneado pela Delta.

Encabeçada pelo deputado estadual João Paulo Rillo e assinada por Adriano Diogo, ambos do PT-SP, a representação pede que o MP apure possíveis atos de improbidade administrativa praticados por José Serra, Paulo Preto e Delson Amador, diante de sinais de superfaturamento das obras de ampliação da Marginal Tietê.

A propósito. Lembram-se que, em 2009, durante o lançamento da Nova Tietê, José Serra disse: “é uma obra que está tendo todo o cuidado ecológico, o que não é tradição em São Paulo, pois as obras e a devastação andavam de mãos dadas, mas isso acabou nos tempos atuais”?

Na ocasião, a propaganda do governo estadual indicava que as pistas seriam cercadas por frondosas árvores e arbustos. E a secretária de Saneamento e Energia, Dilma Pena (atualmente preside a Sabesp), ressaltou a importância de recuperar o espaço das margens do Tietê com uma via parque, uma ciclovia e o plantio de 65 mil mudas.

Pois bem, dois anos após o término das obras, a marginal Tietê ainda está à espera das 65 mil mudas que deveriam ter sido plantadas pelo governo paulista como compensação ambiental, em 2010.  Ainda árvores morreram ou não se desenvolveram no solo árido das margens do rio.  A falta de árvores foi conStatada em perícia realizada pelo Sindicato dos Arquitetos. A entidade move ação civil pública contra a Dersa, que, como responsável pela obra, é obrigada a repor cerca de 30% dos espécimes.

Será que a Nova Marginal do Tietê, além de mãos dadas com a devastação, também se banhou na cachoeira preta?

Folha de S. Paulo manda recado para a Dilma–Cortarei sua cabeça!

20 de Abril de 2012

A imunda Folha de São Paulo, aquela da ditabranda e que emprestava suas viaturas para levar presos políticos para a morte e tortura na época do regime militar, apronta mais uma. Leia a manchete de hoje e veja a foto que colocaram de Dilma. Como a impresa está envolvida na lama de Cachoeira, estão fazendo pressão para que a CPI mude de rumo e deixe de lado o envolvimento da Veja e da Globo na fabricação de notícias para derrubar o governo Lula e contra a Dilma, tudo a armado pelos arapongas de Cachoeira, querem pendurar a CPI na cabeça da Dilma e do PT (via Delta), mas o recado a família Frias dá nesse jornal de hoje, Dilma vamos cortar sua cabeça! Bandidos, canalhas, imbecis, sujos. A Folha, a Veja, o Estadão e a Globo que nadaram na Cachoeira de lama deveriam estar presos. Cadeia nesses canalhas! Que a CPI mostre para o povo brasileiro como funciona a imprensa podre que existe no Brasil, aqui tratada como PIG – Partido da Imprensa Golpista, ou PUM – Partido Único da Mídia. Babacas!

 

folha de são paulo

E-mail enviado por mim à ombudsman da Folha. 

Prezada jornalista Suzana Singer,
Bom dia!

Estou indignada e estarrecida pela capa da Folha de S. Paulo de hoje. De forma subliminar, mas nem tanto, a família Frias resolveu mandar recado para a Presidenta Dilma: mude o rumo da CPI ou lhe cortaremos a cabeça!
Se trata de mais uma tentativa golpista desse jornal, já sem credibilidade, e que ano a ano vem perdendo leitores. Uma tentativa desesperada de manipular a opinião pública para encobrir que vários órgãos de imprensa se banharam na Cachoeira e se associaram ao crime organizado, por meio do do bicheiro (chamado por vocês de empresário dos jogos, é isso?) e seus arapongas, a imprensa brasileira com a ajuda de grampos e vídeos produzidos por Dadá (já ouviu falar nele?), junto com ícone de perfeição e honestidade Sr. Demóstenes tentaram sim, derrubar o Presidente Lula, eleito democraticamente pelo voto do povo brasileiro, a imprensa tentou jogar nossos votos no lixo e impor suas vontades. Vocês participaram disso!
A Folha de S. Paulo tem no seu passado a defesa "ditabranda" quando emprestava suas viaturas para levar presos políticos para a morte e tortura na época do regime militar.
A manchete de hoje junto com a foto de Dilma sugerindo um ato de decapitação é uma afronta ao povo brasileiro, uma falta de respeito contra a Presidenta Dilma, eleita diretamente pelo povo e com 77% de aprovação do seu governo.
Se trata de mal gosto, canalhice e muito desrespeito às instituições democráticas.
Vocês querem pendurar a CPI do Cachoeira na cabeça da Dilma e do PT (via Delta), esse é o recado que a família Frias dá nesse jornal de hoje, Dilma vamos cortar sua cabeça! Mude os rumos da CPI… senão… senão o quê, prezada Suzana Singer?
A muito tempo o povo não é bobo e vocês terão cada vez menos leitores. Credibilidade deveria ser a maior virtude de uma empresa (jornalística?) como a Folha de S. Paulo, coisa que vocês não possuem há muito tempo.
Não passarás! Vamos às ruas! Não permitiremos mais golpismos!
Atenciosamente,
Selene Gallucci Sidney

A mentira do mensalão, os bandidos de toga e a revista Veja junto com o PIG

12 de Abril de 2012
O Lula foi culpado de TODA corrupção do mundo. A mentira do Mensalão do PT quase derrubou um presidente eleito pelo povo. Muitos até hoje acreditam na mentira do mensalão espalhada amplamente pela imprensa. Era mentira. Armação, golpismo! Quem são os bandidos?
Punir a Veja, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal- STF (ministro Gilmar Mendes), os políticos envolvidos na armação do mensalão que quase derrubou o presidente Lula é o mínimo que se espera. A Dilma e o Congresso precisam juntos criar as CPIs de Cachoeira e Privataria e finalmente aprovar uma Lei de Mídia Já. Precisam devolver ao povo Brasileiro sua democracia. Vivemos em uma ditadura midiática que junto com bandidos de toga e políticos de direita querem derrubar qualquer governo trabalhista. Que os golpistas sejam punidos agora!

Do Brasil de Fato

Apenas um ponto da teia criminosa

Os que tramaram pela derrubada do governo, ficarão impunes?

A casa do senador Demóstenes Torres (ex-Dem/GO) ruiu. Descobriu- se que o senador, até poucos dias atrás tido como o mais tenaz e corajoso combatente da corrupção pública dos governos petistas, está entranhado com atividades ilegais comandadas pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Demóstenes e Cachoeira são apenas um ponto da teia criminosa construída e que agora começa a ser desvendada. Como escreveu a jornalista Maria Inês Nassif, este caso não é apenas mais um caso de corrupção. “É uma chance única de reavaliar o que foi a política brasileira na última década, e de como ela – venal, hipócrita e manipuladora – foi viabilizada por um estilo de cobertura política irresponsável, manipuladora e, em alguns casos venal. E hipócrita também”.

p>É inadmissível que não seja dado à revista Veja, da família Civita, a oportunidade de sentar no banco dos réus para provar que é falsa acusação de que formou uma associação criminosa com o bicheiro. Há fortes evidencias que o diretor da sucursal da Veja de Brasília, Policarpo Junior, trabalhava de forma afinada com o bicheiro para gravar vídeos e produzir matérias jornalísticas de interesse mútuo. Matérias que, mesmo quando mentirosas, eram adotadas e amplificadas no jornal Nacional da Rede Globo e reproduzidas pelos outros jornais impressos. Com essa prática jornalística, irresponsável e mentirosa, destruíram reputações, criaram heróis, chantagearam governos e atentaram contra a democracia do país.

A partir da Operação Monte Carlo, surgiram evidências e depoimentos de que a trinca Demóstenes – bicheiro – Veja trabalhou para derrubar um governo democraticamente eleito, o do Lula, manipulando o conhecido caso do mensalão. Que sejam julgados os responsáveis pela criação do mensalão. E os que tramaram pela derrubada do governo, ficarão impunes?             

O próprio ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes foi envolvido na trama criminosa do bicheiro, do senador Demóstenes e da mídia. Fizeram o ministro acreditar que uma conversa telefônica sua com o senador foi gravada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). O Ministro, zeloso pelo Estado de Direito, nem esperou pelas provas do grampo para acusar o governo. Com a bravura típica de latifundiários do Mato Grosso, como alertou uma vez o ministro Joaquim Barbosa, também membro do STF, Gilmar Mendes prometeu chamar o presidente Lula “às falas” e exigiu a exoneração do diretor geral da Abin, Paulo Lacerda. Tudo, sem nenhuma prova. Certamente, sendo um  juiz inteligente e qualificado, foi enganado pelo amigo Demóstenes e pelo amigo do amigo, o bicheiro de Goiás. Agora, que a Policia Federal comprovou que nunca houve grampo da conversa entre os dois, não há culpados nessa grotesca farsa criada com a participação do presidente da mais alta Corte do Poder Judiciário?

É importante, também, para preservar a imagem desse ex-presidente do STF, que seja identificado quem é o portador do 18º telefone celular que formava o clube nextel montado pelo bicheiro. Os telefone foram habilitados nos Estados Unidos para que a cúpula do grupo empresarial do bicheiro não tivessem suas conversas gravadas pela PF. Estão identificados 16 portadores dos telefones. Faltam dois. Um estava com o senador Demóstenes, cujo nome, por causa da imunidade parlamentar, não aparece no processo.

Com quem estará o nextel que ainda falta? Seria injusto pensar que o fato do senador Demóstenes ter empregado em seu gabinete uma enteada do Gilmar Mendes fosse motivo sufi ciente para também presenteá-lo com um “nextel do Cachoeira”. Para alívio do ministro Mendes, o nextel pode ter sido dado ao juiz que foi passear com o Demóstenes e com o bicheiro, na Alemanha, e que o deputado Miro Teixeira (PDT/RJ) quer saber seu nome. Em todo caso, seria bom que o Gilmar Mendes exigisse que a PF apurasse e que fosse divulgado o portador do nextel que permanece anônimo.

Sobre a possível vinculação do governador tucano Marconi Perillo (PSDB/GO), há pouco a comentar uma vez que o presidente nacional do seu partido, deputado Sergio Guerra (PSDB/PE) e o senador tucano Álvaro Dias (PSDB/PR), tão moralista e apadrinhado da Vejaquanto o Demóstenes, confirmam em sua completa inocência. O próprio governador tucano disse que uma vez encontrou o bicheiro e que ele lhe revelou que tinha abandonado o jogo e saído da contravenção. O governador concluiu: “acreditei!” Com essa candura (leitor/a, não é cara-dura…), como imaginar que esse político está vinculado com o crime organizado? Nos somamos ao abalizado parecer do senador Álvaro Dias: ele é inocente!               

Mas, para assegurar que esse caso do bicheiro com um dos senadores de Goiás cometa injustiça, é necessário que o Mistério Público investigue com profundidade toda essa trama do crime organizado. A presidenta Dilma, que tem demonstrado força e capacidade para gerenciar a economia, precisa liderar as mudanças políticas inadiáveis para fortalecer a democracia e tornar o povo mais participante nas decisões do país. O Congresso Nacional deve superar os interesses corporativos e dos parlamentares que temem serem sugados pela vala que se abriu com a prisão do bicheiro. É preciso aprovar e instalar imediatamente a CPI do Carlinhos Cachoeira. Sem esquecer de instalar a CPI da privataria tucana e de criar a Lei da Mídia já!

Perdida essa oportunidade histórica de punir os poderosos por seus crimes, se espalhará o sentimento de que o poder repressivo da Justiça é reservado apenas aos pobres. Mas chegará o momento em que o povo saberá cobrar e responsabilizar os políticos que foram coniventes e asseguraram a impunidades desses crimes.

Ernani José de Paula diz que vídeo do mensalão foi produzido por Cachoeira

 

http://noticias.r7.com/videos/ernani-jose-de-paula-diz-que-video-do-mensalao-foi-produzido-por-cachoeira/idmedia/4f824473fc9b95f3dc516ab5.html

 

Não deixe de ler:

Não deixe de ler: As matérias que Cachoeira plantou na Veja http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/as-materias-que-cachoeira-plantou-na-veja

Caiu a ficha da Globo: CPI mela o mensalão | Conversa Afiada http://www.conversaafiada.com.br/pig/2012/04/12/caiu-a-ficha-da-globo-cpi-mela-o-mensalao/

E a grande sugestão de Eduardo Guimarães o PT deveria processar a Globo por reportagem do JN contra Agnelo http://www.blogcidadania.com.br/2012/04/pt-deveria-processar-a-globo-por-reportagem-do-jn-contra-agnelo/

Luis Nassif denuncia a associação da Revista Veja com crimes de Cachoeira e Demóstenes

3 de Abril de 2012

No post As matérias que Cachoeira plantou na Veja Luis Nassif faz um levantamento de como a revista serviu aos caprichos de Cachoeira e seu parceiro Demóstenes (DEM).

Autor:

Luis Nassif

Em 2008 dei início à primeira batalha de um Blog contra uma grande publicação no Brasil.

Foi "O Caso de Veja", uma série de reportagens denunciando o jornalismo da revista Veja. Nela, selecionei um conjunto de escândalos inverossímeis, publicados pela revista. Eram matérias que se destacavam pela absoluta falta de discernimento, pela divulgação de fatos sem pé nem cabeça.

A partir dos "grampos" em Carlinhos Cachoeira foi possível identificar as matérias que montava em parceria com a revista. A maior parte delas tinha sido abordada na série, porque estavam justamente entre as mais ostensivamente falsas.

Com o auxílio de leitores, aí vai o mapeamento das matérias:

DO GRAMPO DA PF DIVULGADO PELA REVISTA VEJA ESTE FIM DE SEMANA:

Cachoeira: Jairo, põe um trem na sua cabeça. Esse cara aí não vai fazer favor pra você nunca isoladamente, sabe? A gente tem que trabalhar com ele em grupo. Porque os grande furos do Policarpo fomos nós que demos, rapaz. Todos eles fomos nós que demos (…).

Cachoeira: Eu fiquei puto porque ontem ele xingou o Dadá tudo pro Cláudio, entendeu? E você dando fita pra ele, entendeu? (…)

Cachoeira: Agora, vamos trabalhar em conjunto porque só entre nós, esse estouro aí que aconteceu foi a gente. Foi a gente. Quer dizer: mais um. O Jairo, conta quantos foram. Limpando esse Brasil, rapaz, fazendo um bem do caralho pro Brasil, essa corrupção aí. Quantos já foram, rapaz. E tudo via Policarpo.

Graças ao grampo, é possível mapear alguns dos “furos” mencionados pelo bicheiro na conversa entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira com o PM-araponga Jairo Martins, um ex- agente da Abin que se vangloria de merecer um Prêmio Esso por sua colabiração com Veja em Brasília. Martins está preso, junto com seu superior na quadrilha de Cachoeira, o sargento aposentado da Aeronáutica Idalberto Matias, o Dadá, fonte contumaz de jornalistas – com os quais mantém relações de agente duplo, levando e trazendo informações do submundo da arapongagem.

O primeiro registro da associação entre Veja e Cachoeira está numa reportagem de 2004, que desmoralizou uma CPI em que o biicheiro era invetigado. Em janeiro daquele ano, Cachoeira foi a fonte da revista Época, concorrente de Veja, na matéria que mostrou Waldomiro Diniz, sub de José Dirceu, pedindo propina ao bicheiro quando era dirigente do governo do Rio (2002). Depois disso, Cachoeira virou assinante de Veja.

As digitais do bicheiro e seus associados, incluindo o senador Demostenes Torres, estão nos principais furos da Sucursal de Brasília ao longo do governo Lula: os dólares de Cuba, o dinheiro das FARC para o PT, a corrupção nos Correios, o espião de Renan Calheiros, o grampo sem áudio, o “grupo de inteligência” do PT.

O que essas matérias têm em comum:

1) A origem das denúncias é sempre nebulosa: “um agente da Abin”, “uma pessoa bem informada”, “um espião”, “um emissário próximo”.

2) As matérias sempre se apoiam em fitas, DVDs ou cópias de relatórios secretos – que nem sempre são apresentados aos leitores, se é que existem.

3) As matérias atingem adversários políticos ou concorrentes nos negócios de Cachoiera e Demostenes Torres (o PT, Lula, o grupo que dominava os Correios, o delegado Paulo Lacerda, Renan Calheiros, a campanha de Dilma Rousseff)

4) Nenhuma das denúncias divulgadas com estardalhaço se comprovou (única exceção para o pedido de propina de 3 mil reais no caso dos Correios).

5) Assim mesmo, todas tiveram ampla repercussão no resto da imprensa.

CONFIRA AQUI A CACHOEIRA DOS FUROS DA VEJA EM ASSOCIAÇÃO COM DEMÓSTENES, ARAPONGAS E CAPANGAS DO BICHEIRO PRESO:

1) O CASO DO BICHEIRO VITIMA DE EXTORSÃO

Revista Veja Edição 1.878 de 3 de novembro de 2004

http://veja.abril.com.br/031104/p_058.html

Trecho da matéria: Na semana passada, o deputado federal André Luiz, do PMDB

do Rio de Janeiro, não tinha amigos nem aliados, pelo menos em público. Seu

isolamento deveu-se à denúncia publicada por VEJA segundo a qual o deputado

tentou extorquir 4 milhões de reais do empresário de jogos Carlos Cachoeira. As

negociações da extorsão, todas gravadas por emissários de Cachoeira, sugerem

que André Luiz agia em nome de um grupo de deputados.

NOTA: A fonte da matéria são “emissários de Cachoeira”, o “empresário de jogos”

que Veja transformou de investigado em vítima na mesma CPI.

2) O CASO DO DINHEIRO DAS FARC

Capítulo 1 – Revista Veja Edição 1896 de 16 de março de 2005

http://veja.abril.com.br/160305/p_044.html

Trecho da Reportagem: Um agente da Abin, infiltrado na reunião, ouviu tudo, fez

um informe a seus chefes (…) Sob a condição de não reproduzi-los nas páginas da

revista, VEJA teve acesso a seis documentos da pasta que trata das relações entre

as Farc e petistas simpatizantes do movimento.

Capítulo 2 – Revista Veja Edição 1.899 de 6 de abril de 2005

http://veja.abril.com.br/060405/p_054.html

Trechos da matéria: Na semana passada, a comissão do Congresso encarregada

de fiscalizar o setor de inteligência do governo resolveu entrar no caso Farc-PT.

Na quinta-feira passada, a comissão do Congresso decidiu convocar o coronel e o

espião. Os membros da comissão também querem ouvir José Milton Campana, que

hoje ocupa o cargo de diretor adjunto da Abin e, na época, se envolveu com a

investigação dos supostos laços financeiros entre as Farc e o PT.

O senador Demostenes Torres, do PFL de Goiás, teme que a discussão sobre o

regimento sirva só para adiar os depoimentos. "Para ouvir a versão do governo e

tentar dar o caso por encerrado, ninguém precisou de regimento", diz ele.


3) O CASO MAURICIO MARINHO

Capítulo 1 – Revista Veja Edição 1.905 de 18 de maio de 2005

http://veja.abril.com.br/180505/p_054.html

Trecho da reportagem: Há um mês, dois empresários estiveram no prédio central

dos Correios, em Brasília. Queriam saber o que deveriam fazer para entrar no

seleto grupo de empresas que fornecem equipamentos de informática à estatal.

Foram à sala de Maurício Marinho, 52 anos, funcionário dos Correios há 28, que

desde o fim do ano passado chefia o departamento de contratação e administração

de material da empresa. Marinho foi objetivo na resposta à indagação dos

empresários. Disse que, para entrar no rol de fornecedores da estatal, era preciso

pagar propina. "Um acerto", na linguagem do servidor. Os empresários, sem que

Marinho soubesse, filmaram a conversa. A fita, à qual VEJA teve acesso, tem 1

hora e 54 minutos de duração.

NOTA: As investigações da PF e de uma CPI mostraram que o vídeo foi entregue à

revista pelo PM-araponga Jairo Martins, que “armou o cenário” da conversa com

Marinho a mando de concorrentes nas licitações dos Correios.

4) O CASO DOS DÓLARES DE CUBA

Revista Veja Edição 1.929 de 2 de novembro de 2005

http://veja.abril.com.br/021105/p_046.html

Trecho da reportagem: (Vladimir) Poleto, (principal fonte da reportagem) até

hoje, é um amigo muito próximo do irmão de (Ralf) Barquete, Ruy Barquete,

que trabalha na Procomp, uma grande fornecedora de terminais de loteria

para a Caixa Econômica Federal. Até a viúva de Barquete, Sueli Ribas Santos, já

comentou o assunto. Foi em um período em que se encontrava magoada com o PT

por entender que seu falecido marido estava sendo crucificado. A viúva desabafou:

"Eles pegavam dinheiro até de Cuba!"

NOTA: A empresa de Barquete venceu a concorrência da Caixa Econômica Federal

para explorar terminais de jogos em 2004, atravessando um acordo que estava

sendo negociado entre a americana Gtech (antiga concessionária) e Carlinhos

Cachoeira, com suposta intermediação de Waldomiro Diniz. O banqueiro teria

deixado de faturar R$ 30 milhões m cinco anos.

A armação era para pegar Antonio Palloci, padrinho de Barquete. Pegou Dirceu.

(Detalhes da relação Cachoeira-Gtech na matéria do Correio Braziliense de 26 de

setembro de 2005:

http://www.febrac.org.br/showClipping.php?clipping=30305&cod=7112)

5) O CASO FRANCISCO ESCÓRCIO

Revista Veja Edição 2.029 de 10 de outubro de 2007

http://veja.abril.com.br/101007/p_060.shtml

Chamada no alto, à esquerda: RENAN AGORA ESPIONA OS ADVERSÁRIOS

Na semana passada, Demostenes Torres e Marconi Perillo foram procurados por

amigos em comum e avisados da trama dos arapongas de Renan. Os senadores se

reuniram na segunda-feira no gabinete do presidente do Tribunal de Contas de

Goiás, onde chegaram a discutir a possibilidade de procurar a polícia para tentar

flagrar os arapongas em ação. "Essa história é muito grave e, se confirmada, vai

ser alvo de uma nova representação do meu partido contra o senador Renan

Calheiros", disse o tucano Marconi Perillo. "Se alguém quiser saber os meus

itinerários, basta me perguntar. Tenho todos os comprovantes de vôos e os

respectivos pagamentos." Demostenes Torres disse que vai solicitar uma reunião

extraordinária das lideranças do DEM para decidir quais as providências que serão

tomadas contra Calheiros. "É intolerável sob qualquer critério que o presidente

utilize a estrutura funcional do Congresso para cometer crimes", afirma

Demóstenes.

Pedro Abrão, por sua vez, confirma que os senadores usam seu hangar, que

conhece os personagens citados, mas que não participou de nenhuma reunião. O

empresário, que já pesou mais de 120 quilos, fez uma cirurgia de redução de

estômago e está bem magrinho, como disse Escórcio. Renan Calheiros não quis

falar.Com reportagem de Alexandre Oltramari (que viria a ser assessor de Marconi Perillo)

NOTA: Demostenes é a única fonte que confirma a versão em que teria sido vítima.

6) O CASO DO GRAMPO SEM ÁUDIO

Capítulo 1 – Revista Veja, Edição 2022, 22 de agosto de 2007

http://veja.abril.com.br/220807/p_052.shtml

Capítulo 2 – Revista Veja Edição 2073 de 13 de agosto de 2008

http://veja.abril.com.br/130808/p_056.shtml



Capítulo 3 – Revista Veja Edição 2.076 de 3 de setembro 2008

http://veja.abril.com.br/030908/p_064.shtml

Chamada acima do logotipo: “PODER PARALELO”

Trecho da matéria: O diálogo entre o senador e o ministro foi repassado à revista

por um servidor da própria Abin sob a condição de se manter anônimo.

Trecho da matéria: O senador Demóstenes Torres também protestou: "Essa

gravação mostra que há um monstro, um grupo de bandoleiros atuando dentro do

governo. É um escândalo que coloca em risco a harmonia entre os poderes". O

parlamentar informou que vai cobrar uma posição institucional do presidente do

Congresso, Garibaldi Alves, sobre o episódio, além de solicitar a convocação

imediata da Comissão de Controle das Atividades de Inteligência do Congresso para

analisar o caso. "O governo precisa mostrar que não tem nada a ver e nem é

conivente com esse crime contra a democracia."

NOTA: O grampo sem áudio jamais foi exibido ou encontrado, mas a repercussão

da matéria levou à demissão do delegado Paulo Lacerda da chefia da Abiin.

7) O CASO DO “GRUPO DE INTELIGÊNCIA” DO PT

Capítulo 1 – Revista Veja Edição 2.167 de 2 de junho de 2010

http://veja.abril.com.br/020610/ordem-casa-lago-sul-p-076.shtml

Trecho da matéria: Não se sabe, mas as fontes de VEJA que presenciaram os

eventos mais de perto contam que, a certa altura…

Nota: a “fonte” não citada é o ex-sargento Idalberto Matias, o Dadá, funcionário de

Carlinhos Cachoeira, apresentado a Luiz Lanzetta como especialista em varreduras.

Capítulo 2 – Revista Veja Edição de julho de 2010

http://veja.abril.com.br/090610/era-levantar-tudo-inclusive-coisas-pessoais-p-

074.shtml

Trecho de entrevista com o ex-delegado Onézimo de Souza:, que sustentou (e

depois voltou atrás) a história de que queriam contratá-lo para grampear Serra:

O senhor foi apontado como chefe de um grupo contratado para es-pionar

adversários e petistas rivais?

Fui convidado numa reunião da qual participaram o Lanzetta, o Amaury (Ribeiro), o

Benedito (de Oliveira, responsável pela parte financeira) e outro colega meu, mas

o negócio não se concretizou.

NOTA: O outro colega do delegado-araponga, que Veja não menciona em

nenhuma das reportagens sobre o caso, é o ex-sargento Idalberto Matias, o

Dadá, capanga de Cachoeira e contato do bicheiro com a revista Veja (o outro

contato é Jairo Martins, o policial associado a Policarpo Junior)

(Confira na entrevista da Folha de S. Paulo com Luiz Lanzetta:

http://m.folha.uol.com.br/poder/746071-jornalista-sai-da-campanha-de-dilma-

apos-polemica-sobre-dossie.html)

Mais informações em: http://sites.google.com/site/luisnassif02/

Dilma e o PAC que não emPACou!

16 de Março de 2012
tags: , ,
Adoro como a Dilma trata o PIG (Partido da Imprensa Golpista)! É isso! Ela tem pautar a mídia e não o contrário. Ela tem mostrar o trabalho e eles (deveriam) informar a população do andamento das obras do PAC (que o PIG mente e diz que emPACou). Ela é como disse bem nesse vídeo, sempre é devidamente "sabotada" (palavra minha) pela mídia, que quer apenas colher alguma declaração polêmica para fazer escarcéu em cima. Sabe como o povão se informa sobre o governo dela? Vendo pessoalmente a contrução das ferrovias, rodovias (BR101 – que corta o nordeste), hidrelétricas, portos, transposição do Rio São Francisco e das grandes obras do PAC que o PIG diz que emPACou! Então presidentA, vc tem razão, fale o que vc tem que falar e não deixe eles te pautarem, vc tem dizer o que está fazendo e eles que se danem com suas pautas golpistas! O que importa é a vida do brasileiro melhorar!